Ir para o conteudo 1

Assessor da Dataprev faz apresentação sobre nuvemAlém de participar da mesa de abertura do 5º Fórum TIC na Justiça, realizado em Campo Grande (MS), a Dataprev apresentou na quinta-feira (3) a primeira palestra do evento. Com o tema “Solução de Preservação Digital de Documentos”, Edmar Ferreira, gerente de conta de novos negócios, e Alan Santos, assessor da Diretoria de Relacionamento, Desenvolvimento e Informações (DRD), contaram a experiência da empresa na guarda e gestão segura de informações do cidadão.

Na sexta-feira (4), Antonio Hobmeir, assessor da Presidência, deu prosseguimento à conversa iniciada no dia anterior no painel "Desafios e Benefícios da Computação em Nuvem para a Justiça" e destacou que os serviços oferecidos pela empresa, principalmente nuvem, são uma maneira de o judiciário conseguir focar no negócio final e não se preocupar com a infraestrutura.

Em sua apresentação, Edmar Ferreira apontou a capacidade da Dataprev de atender o Poder Judiciário. “A Dataprev tem a maior Big Data do Governo Federal. A empresa é informada de todos os benefícios e remunerações formais recebidos pelo cidadão. Nós processamos a folha de pagamento dos aposentados há mais de 40 anos e nunca houve um dia sequer de atraso. Também somos a instituição responsável pelo pagamento do Seguro-Desemprego, processo simplificado com o lançamento do aplicativo Sine Fácil. A Dataprev reafirma com isso seu papel de garantir o exercício da cidadania e o acesso a direitos”, explicou o gerente de conta.

Quanto à gestão documental, Edmar Ferreira falou da experiência da empresa na digitalização e guarda de informações. A Dataprev é parceira do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) e do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) no desenvolvimento da Plataforma de Análise de Dados do Governo Federal (GovData) e está em fase final de estruturação da Plataforma de Reconhecimento Digital do Cidadão (Predic), projeto de geração de dados mestres de governo.

“Neste momento, a Dataprev desenvolve ainda uma plataforma de autenticação, que abre as portas para qualificar dados do cidadão”, ressaltou o gerente de conta, que finalizou sua apresentação com um alerta. “Mesmo documentos digitais natos têm vulnerabilidade. O que a Dataprev sugere, nesse sentido, é que o judiciário não mantenha esses dados em infraestrutura própria, mas sim que a guarda seja feita por empresas especialistas e nós estamos preparados para atender vocês”, concluiu.

Alan Santos tratou especificamente da gestão documental. “A Dataprev hoje tem condições de executar o tratamento de documentos eletrônicos desde o nascimento, passando pelo arquivamento inicial, até a opção por guarda ou descarte definitivo. Seja papel ou eletrônica, a mídia de suporte, em qualquer sistema de gestão documental, a empresa está apta a manter em nuvem privada de governo documentos que nascem em múltiplas plataformas por um custo menor do que seria o de guardar esses dados em mídia tradicional”, avaliou.

O assessor chamou atenção sobre a empresa oferecer soluções para grandes volumes, o que é o caso do judiciário. “Ao mesmo tempo em que gerencia acervo em papel para reduzir custos e garantir integridade, acesso e segurança aos documentos, a Dataprev qualifica a guarda de acervo eletrônico. Trata-se de uma solução que integra sistema de gestão documental, camada de serviços, alinhamento no Processo Eletrônico Nacional (PEN) e associação de documentos digitais e digitalizados a processos físicos", destacou Alan Santos.

A integridade, uma das maiores preocupações na digitalização de documentos, está assegurada por padrões de segurança que usam criptografia e seguem regras rígidas de troca de arquivo. “O que a empresa está apresentando é a oportunidade da área de tecnologia do judiciário focar no negócio e não em infraestrutura básica”, afirmou Alan Santos ao concluir sua apresentação.

Soluções em nuvem

Durante o painel "Desafios e Benefícios da Computação em Nuvem para a Justiça", Hobmeir apresentou o foco em que a empresa está atuando. “A Dataprev quer oferecer a cada cliente a proposta mais adequada para seu uso. Nesse sentido, a empresa começa a atuar no modelo tradicional, passando a dispor de planos de continuidade com Database as a Service (DBaaS); proteção de dados com Backup as a service (BaaS); condições de lidar com incidentes a qualquer hora com Monitoring as a Service (MaaS); dinamismo para se adaptar à demanda com Containers as a Service (CaaS); até chegar ao modelo em que o cliente não tenha sua atenção voltada para infraestrutura com Software as a service (SaaS).”

De acordo com Antonio Hobmeir, a infraestrutura deve ser vista como commodity. “A Dataprev enxerga a infraestrutura tendo em mente sua manutenção, a disponibilidade, nós temos data centers com certificação Tier III, que garantem 99,98% de funcionamento 24 horas por dia, sete dias por semana. Levamos em consideração que quem contrata o serviço tem outras preocupações. Deve ser desta maneira”, enfatizou o assessor. Em momentos distintos do fórum, tanto os assessores quanto o gerente de conta chamaram atenção para que a preocupação técnica seja centrada no fornecedor, conferindo mais segurança para o contratante atuar na sua área-fim.