Ir para o conteudo 1

Diretor de Tecnologia e Operações da Dataprev, Matheus Belin, representa empresa em debate sobre os pilares da transformação digital no Brasil.A Dataprev, representada pelo diretor de Tecnologia e Operações, Matheus Belin, foi uma das instituições presentes no debate “Pilares da transformação digital no Brasil”, realizado na Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), nesta quinta-feira (28). Organizado pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC), pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) e pela Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), o evento contou com a participação do secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, e do secretário de Governo Digital, Luis Felipe Salim Monteiro. Na ocasião, foram apresentadas mesas sobre políticas públicas, legislação e novas tecnologias que irão mudar a forma como o Governo lida com o cidadão.

Ao abordar o foco no cidadão, levando em consideração a experiência deste ao acessar os serviços, o secretário adjunto da Secretaria de Governo Digital, Ciro Avelino, ressaltou a necessidade de trabalhar também a comunicação, com apoio da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom). A mesa seguinte discutiu a Lei 13.709/2018, que dispõe sobre a proteção de dados pessoais. Para Sergio Paulo Gallindo, presidente executivo da Brasscom, a aprovação da lei é positiva, mas é necessário instituir uma autoridade para operá-la. Matheus Belin explicou que a Dataprev é guardiã dos dados sociais dos brasileiros e demonstrou preocupação sobre a aplicação do instrumento, que, apesar de entrar em vigor em 2020, ainda não possui orientação de uso para as empresas.

A segurança cibernética foi debatida por Alcimar Rangel, do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI-PR), e pelo vice-presidente executivo do Conselho da Indústria de Tecnologia da Informação (ITI, na sigla em inglês), Josh Kallmer. De acordo com o vice-presidente do ITI, instituição que dá voz ao setor de tecnologia, o trabalho conjunto é o melhor caminho a seguir. Em sua fala, Alcimar Rangel apresentou a Política Nacional de Segurança da Informação, que destaca a educação como um alicerce fundamental para o fomento da cultura em segurança da informação.

A última mesa do evento apresentou o uso que as duas maiores empresas de tecnologia do Governo Federal, Dataprev e Serpro, tem feito de tecnologias emergentes, como inteligência artificial, Internet das Coisas, Blockchain, entre outras. O diretor Matheus Belin exemplificou a atuação da Dataprev com o Instituto Nacional do Seguro Social. “O INSS realiza cerca de um milhão de atendimentos por dia. Desse total, 400 mil utilizam canais digitais. Ao mesmo tempo em que entrega essa tecnologia, a Dataprev precisa se preocupar com o cidadão que pode não se sentir seguro ao acessar serviços online e evitar usar um aplicativo”, avaliou. O Serpro destacou o trabalho que vem fazendo na capacitação dos empregados para atuarem com inteligência artificial e tecnologias relacionadas, como chat bots.