Acompanhe a Dataprev

Centro de Processamento da Dataprev no Rio de Janeiro - Foto: Mirian FichtnerA Dataprev vai realizar, entre os dias 30 de maio e 1º de junho, uma complexa operação de deslocamento de equipamentos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), procedimento conhecido como “moving”, que vai exigir o desligamento de todo o seu data center no Rio de Janeiro. Computadores, servidores de bancos de dados e de aplicações, dispositivos de rede e de armazenamento de dados, entre outros itens, serão remanejados de ambientes, como parte da modernização do Centro de Processamento Rio de Janeiro (CPRJ). Previsto para ser concluído até dezembro, o projeto de expansão do data center vai dobrar sua capacidade de infraestrutura (espaço físico, rede elétrica e lógica, e sistema de refrigeração).

Durante o período do “moving”, os sistemas e serviços dos clientes que estão localizados no CPRJ, inclusive aplicações que atendem à Previdência Social, ao Ministério do Trabalho e Emprego e à Receita Federal do Brasil, ficarão indisponíveis a partir da zero hora do dia 30 (esta sexta-feira, portanto, dia útil), até às 20h do domingo (dia 1º de junho).

Participam da operação cerca de 300 profissionais da Dataprev e das áreas de suporte técnico dos fornecedores dos ativos a serem deslocados. Ao todo, o trabalho envolve cerca de 500 computadores, fitotecas de armazenamento de dados, mais de 200 switches de rede e mais de 1.200 máquinas virtuais. Também serão instalados novos cabeamentos elétricos e de comunicação.

Investimentos — A Dataprev está investindo, desde 2012, cerca de R$ 200 milhões em obras de modernização dos seus três data centers. As novas instalações do centros de processamento de São Paulo e Brasília (CPSP e CPDF) foram inauguradas em 2013 e 2012, respectivamente. Este ano, será a vez da unidade do Rio de Janeiro (CPRJ).

“Será instalada uma infraestrutura totalmente nova no CPRJ”, diz o diretor de Infraestrutura de TIC da Dataprev, Daniel Darlen. “Além disso, teremos uma sala-cofre nova, protegida contra incêndio, inundação, com sistemas elétricos e de refrigeração redundantes.” Uma vez concluída a modernização, a Dataprev não precisará mais parar o CPRJ para manutenção predial, como já ocorre no CPSP e no CPDF, resultado de um amplo trabalho de engenharia para assegurar uma disponibilidade próxima a 100% para o novo ambiente.

A nova sala-cofre do CPRJ terá 488 metros quadrados, a maior dos três data centers. A sala atual, reformada, vai continuar operando, o que significa outros 114 metros quadrados de ambiente protegido — até as passagens dos cabos elétricos são blindadas. Com esses investimentos, a Dataprev busca incrementar a segurança e disponibilidade do seu ambiente, oferecendo condições para o desenvolvimento de novas soluções de TI que otimizem a prestação de serviços públicos à população.