Ir para o conteudo 1

Ilustração de computadores com a data de 31 de março, Dia do BackupO que você faria se perdesse todos os seus arquivos? Essa é a pergunta dos organizadores do Dia Mundial do Backup, celebrado neste 31 de março, para alertar sobre a importância de se realizar cópias de segurança de documentos, vídeos e imagens, num tempo em que boa parte de nossas vidas é armazenada em formato digital. Fazer o backup de dados preciosos é um dos procedimentos fáceis de executar que muitas pessoas ignoram.

A iniciativa surgiu em 2011 e, desde então, vem ganhando força e hoje conta com um site oficial, em que os usuários encontram soluções de como manter um documento seguro e podem inclusive assumir o compromisso do Dia Mundial do Backup: “Comprometo-me solenemente a fazer o backup dos meus documentos mais importantes e das minhas mais preciosas memórias no dia 31 de março”.

De acordo com o site oficial, a data foi escolhida propositalmente um dia antes do 1º de abril, Dia da Mentira no Brasil, mas, em muitos lugares, conhecido como Dia dos Tolos. A intenção é chamar a atenção para a necessidade de se realizar o backup de dados para que o internauta não caia em armadilhas.

O backup nada mais é do que a cópia de todos os arquivos, fotos ou vídeos em um local extra ao de costume. Segundo Walter Andriola, líder de equipe da Coordenação de Planejamento de SIC e Contingência de Negócios (COPC), tal processo era difícil e caro no passado, mas, atualmente, o cenário é outro, com conexões cada vez mais rápidas e sistemas que automatizam a reprodução de dados. Por exemplo, ao fotografar uma viagem e manter todos os registros salvos no computador, o essencial é criar uma outra pasta com os mesmos arquivos em um HD externo, para que não se percam.

Outra alternativa frequentemente utilizada é o arquivamento em nuvem. São inúmeros os sites que oferecem esta disponibilidade, inclusive gratuitamente. Caso haja interesse de expandir essa capacidade, deve ser pago um valor de acordo com o espaço desejado. Valor este que, muitas vezes, pode ser compensatório. É o que ressalta Walter Andriola: “A relação de custo e benefício de se realizar cópias pode ser muito favorável, se comparado com o trabalho ou custo para recuperar as informações perdidas. É necessário frisar também que ter uma cópia desatualizada equivale quase a não ter cópia alguma, pois o trabalho para obter as informações atualizadas em caso de perda será praticamente o mesmo”.

De acordo com o site do Dia Mundial do Backup, a perda de arquivos é muito mais comum do que se imagina. Um a cada 10 computadores são afetados por vírus ao mês e 113 celulares são perdidos ou roubados a cada minuto.

“Com a mobilidade, é acrescido o fator do acaso, pois muitos dos dados são perdidos quando alguém perde ou tem um smartphone furtado, o que não acontecia quando todos os dados estavam em computadores que repousavam sobre a mesa”, finaliza Walter.