Ir para o conteudo 1

Imagem de uma nuvem com o texto Revista ResultadosOferecer a cada cliente a proposta mais adequada para seu uso, com qualidade e credibilidade. É nesse sentido que a Dataprev tem trabalhado para adequar o seu modelo de computação em nuvem à atual realidade do mercado. A meta é que a nuvem de governo esteja pronta no início de 2018.

“Estamos analisando o mercado e desenhando modelos de negócios inovadores para o setor público e a realização de parcerias é um caminho natural, tanto com o Serpro em relação aos dados de governo, quanto com as empresas que ofertam nuvem pública na iniciativa privada”, explica o presidente André Leandro Magalhães.

O serviço é um dos destaques da 14ª edição da Revista Dataprev Resultados, que traz na capa aplicativos desenvolvidos pela Dataprev, como a CTPS Digital e o Sine Fácil, que reduzem filas e dão agilidade na busca de informações por parte do cidadão. A publicação aborda ainda como a empresa tem se comportado frente às novas tendências do mercado de TI e as estratégias em estudo para aprimorar a eficiência dos serviços públicos.

Leia a 14ª edição da Revista Dataprev Resultados na íntegra

A computação em nuvem é uma solução na qual recursos de tecnologia da informação, como hardware, software, rede e armazenamento de dados, são fornecidos aos usuários à medida que eles demandam. A tecnologia substitui, por exemplo, os servidores físicos por máquinas virtuais e diminui o tempo de implementação das soluções. A estratégia da Dataprev abrange a oferta de Infraestrutura (IaaS), Plataforma (Paas) e Software (SaaS) como serviço.

A empresa possui três data centers modernos e com certificação internacional Tier III, que garantem 99,98% de funcionamento 24 horas por dia, sete dias por semana. Aliado a isso, dispõe de capacidade instalada suficiente para atender a demanda estimada para os próximos dois anos, além de estar estruturada para crescer o quanto for necessário.

“O nosso diferencial é credibilidade, garantia do serviço e disponibilidade dos dados para o cliente. E a Dataprev pode oferecer a melhor infraestrutura e as melhores condições de serviços e bases tecnológicas”, avalia o diretor de Tecnologia e Operações da Dataprev, Matheus Belin.

Em paralelo, a Dataprev pretende estabelecer parcerias com provedores de mercado, como Oracle, IBM, VMWare e Microsoft, para a oferta de nuvem pública de mercado para órgãos do governo, conforme previsto na Lei das Estatais. Uma das vantagens desse modelo é que o dado ficará hospedado em território nacional, nos servidores de um data center de governo, como é o caso da Dataprev.

“Alguns projetos específicos têm muitos players de mercado. Quando você tem uma instituição de governo hospedando um projeto, existe mais confiabilidade do que se o dado estivesse em uma nuvem pública, por exemplo. Você tem a chancela de governo. E alguns projetos específicos são sensíveis. Às vezes o dado nem é confidencial, mas o fiel depositário é o governo”, diz Belin.

Redução de custos    
Uma das principais vantagens da computação em nuvem é que o cliente só paga pelo que usa. No modelo de cloud computing, o cliente “aluga” a capacidade de hardware que deseja durante o período que quer, pagando apenas pelos recursos de que precisa.

Isso vale também para os softwares. Em vez de comprar uma licença de uso do sistema e adquirir servidores para instalá-lo, o contratante paga apenas uma mensalidade para a empresa que fornece o sistema e já tem tudo funcionando na hora, com custos reduzidos.

Outra vantagem é a flexibilidade, ou seja, é possível aumentar ou diminuir a infraestrutura de tecnologia quando quiser, de forma extremamente rápida e ágil. O cliente não precisa fazer grandes investimentos e perder tempo planejando a compra de um novo servidor. Ele simplesmente solicita e terá mais recursos à disposição, automaticamente. Essa possibilidade é muito útil para os negócios que sofrem efeitos sazonais, com picos e quedas de movimento.

Leia também:

Cidadão.Br: plataforma de autenticação facilita acesso a serviços públicos