Ir para o conteudo 1 Ir para o menu principal2 Pular lista Órgãos de Governo3

Usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no Portal Dataprev. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse nosso Aviso de PrivacidadeAo continuar navegando, você confirma que leu, compreendeu e consente com a utilização de cookies.

Atualizado em: 
sex, 15/09/2023 - 19:02

Em março, são R$ 14 bilhões destinados a 21,19 milhões de famílias em situação de vulnerabilidade

crianças e mulher sentados à camaDe acordo com o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS), no primeiro mês de retomada do Bolsa Família, o programa já registra dois recordes. A folha de pagamentos de março totaliza o repasse de R$ 14 bilhões. É o maior investimento federal na história dos programas de transferência de renda. Já o benefício médio recebido pelas famílias saltou de R$ 606,91 em fevereiro para R$ 670,33 neste mês. Mais de 21,19 milhões de lares foram contemplados em todo o país, com pagamentos iniciando nesta segunda-feira (20). A Dataprev é parceira tecnológica do Ministério. A empresa desenvolveu o aplicativo e concluiu a primeira etapa da modernização do portal Cadastro Único – base de dados utilizada pelo Programa do Bolsa Família.

Os recordes são motivados pelos R$ 150 adicionais por criança de zero a seis anos, como prometido pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O chamado Benefício Primeira Infância somou mais de R$ 1,33 bilhão, contemplando 8,9 milhões de crianças. Desse total, 335,68 mil foram incluídas em março. São Paulo, é o estado com maior número de crianças beneficiadas nessa faixa etária: 1,18 milhão.

Além disso, o Bolsa Família agora se torna mais justo. Neste mês, 694,24 mil novas famílias foram incluídas, enquanto outras 1,32 milhão tiveram o benefício cancelado. Os motivos podem ser por inconsistências cadastrais (geralmente em relação à renda informada pelo beneficiário no momento da inscrição no Cadastro Único), desatualização dos dados por mais de 24 meses ou pelo fim da regra de emancipação do antigo programa de transferência de renda.

“Esse dinheiro, pela mão dos mais pobres, chega em cada canto do Brasil. Ao comprar alimentos e pagar por outras necessidades, faz a roda da economia girar, desde a verdureira, o açougue, cada mercadinho e mercearia e, assim, além de garantir o pobre no orçamento e o sagrado direito de as pessoas tomarem o café, almoçar e jantar, gera mais emprego e empreendedorismo”, afirma o ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias.

Como de costume, o Bolsa Família prioriza o público feminino. Neste mês, em que se comemorou o Dia Internacional da Mulher, 81,2% dos lares brasileiros contemplados pelo programa têm uma mulher como responsável familiar. No estado de Goiás, o percentual chega a 88,2%, o maior do país.

Distribuição regional

O Nordeste lidera o quadro de maior número de beneficiários em março. São 9,73 milhões de famílias atendidas, a partir de um repasse de R$ 6,35 bilhões. Apenas para atender as crianças na primeira infância, são R$ 537,45 milhões. O benefício médio na região ficou em R$ 662,63.

Na sequência, o Sudeste tem 6,31 milhões de lares atendidos, fruto de um investimento de R$ 4,2 bilhões. A região Norte contempla 2,59 milhões de famílias, enquanto o Sul registra 1,4 milhão de famílias atendidas. No Centro-Oeste, 1,13 milhão de lares recebem, juntos, o maior benefício médio do país: R$ 688,73.

Calendário de pagamentos

Os pagamentos de março têm início nesta segunda-feira (20) para os beneficiários com o Número de Identificação Social (NIS) com o dígito final 1. Os repasses são feitos de maneira escalonada e seguem até o dia 31 de março, quando recebem os beneficiários com NIS final zero.

Para municípios em situação de emergência ou calamidade reconhecida, o Governo Federal unificou o pagamento do Bolsa Família para o primeiro dia do calendário. Assim, nesta segunda-feira serão contempladas as famílias beneficiárias atingidas pelas chuvas no litoral Norte de São Paulo e pela estiagem no Rio Grande do Sul, além dos povos Yanomami.

 

Saiba mais sobre o programa de transferência de renda do Governo Federal.

 

*** Com informações e imagem do Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS).